sexta-feira, 10 de setembro de 2010

UMA ASSOCIAÇÃO DE ATEUS?

(Bruegel - vilage lawer)





Verão. Um calor de rachar. Mesmo à noite. Saí. Mike também se incomodava com o calor, por isso encontrei-o acordado. Não tinha assunto específico. Queria apenas refrescar-me. Porém, Mike parecia disposto a provocar:

- Você vai participar dessa Associação Brasileira de Ateus e Agnósticos?
- Como você sabe disso?
- Não interessa. E não responda a uma pergunta com outra...
- Está mal humorado?
- Não, só não gosto desse jogo de esconde-esconde. Afinal, vai ou não...

Pegara-me de surpresa o Mike. Não sabia o que responder. O que significa que tinha sérias dúvidas. Tentei explicar:

- Olha, sou ateu, você sabe. Mas também não gosto de participar de nenhuma organização, associação, partido político, não importa a tendência. Tenho enorme resistência em ser catalogado como isso ou aquilo...
- Mas parece interessante a proposta deles – interrompeu o Mike. Pelo menos quanto ao fato de lutar por um estado laico e defender os ateus e agnósticos de preconceitos e outras coisas mais...
- Porém, há outros aspectos que me incomodam – foi a minha vez de interromper. Esse negócio de defender direitos e interesses pode transformar a tal associação em uma espécie de partido político ou de seita. Quais são os direitos específicos dos ateus e agnósticos? Precisamos nos constituir em associação para defender que direitos? Acho isso um tanto colado nas inúmeras outras igrejinhas que pululam por aí e depois se transformam em motivos de mais ódio e preconceito, porque acabam constituindo um ideário, uma relação de deveres e crenças... Não gosto disso, não.
- É verdade. E tem este item dos estatutos – apontar o ateísmo e o agnosticismo como caminhos filosóficos viáveis, consistentes e morais... Isso pode virar uma espécie de pregação pelo ateísmo...
- E pregação é tudo o que mais eu odeio na vida, como você sabe, Mike...
- Já vi que você está de prevenção contra a tal Associação, como é a sigla?
- ATEA.
- A sigla é boa, as intenções parecem ser honestas, mas...
- Isso mesmo, Mike, tudo parece muito certo, muito lógico, mas não é. Se a tal Associação tivesse por objetivos apenas dois...
- Promover o estado laico – adiantou-se o Mike.
- Isso mesmo, promover o estado laico, de modo que não sofresse interferências das religiões e dos religiosos... E também defender os ateus e agnósticos dos preconceitos. Acho que seria de bom tamanho.
- Você tem razão... Há uns penduricalhos estranhos nos estatutos. Mas, mesmo assim acho que você devia se associar...
- Acha mesmo?
- Vou dormir – limitou-se a resmungar o Mike.

Fiquei ali pelo quintal por mais alguns minutos, pensando no assunto, sem chegar a conclusão alguma. Lembrei-me de que já escrevera algures, talvez neste mesmo blog, que o ateísmo não é uma filosofia, não pode ser constituído em qualquer tipo de associação nem deve ser promovido ou pregado como qualquer outra seita, senão se descaracteriza.. Claro, não tenho compromisso nenhum com a coerência, que pode ser, sim, muitas vezes burra e entorpecedora, mas... Bem, em todo caso, aí está o link da ATEA. Vou aguardar os acontecimentos.

http://www.atea.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=46&Itemid=1

Nenhum comentário:

Postar um comentário