terça-feira, 7 de setembro de 2010

ROLANDO DE RIR

(Emil Nolde - wildly dancing children)



Nossos diálogos têm ficado repetitivos. Por isso, longo é o tempo que passa sem nada a acrescentar a essas conversas. Mas, essa semana foi especial: encontrei o Mike rolando de rir. Nunca o tinha visto assim. Ria e guinchava, lá do jeito dele, como todo macaco deve rir de nós, pobres homens.

Não via graça nenhuma. Cheguei, mesmo, a voltar e olhar-me ao espelho, se encontrava algo que lhe desse motivo para rir assim. Resolvi dar um paradeiro naquela farra.

- Ou você me diz por que está rindo assim, ou nada de mamão por uma semana!

Era o ponto fraco dele, eu sabia. Parou um pouco e me olhou com seus olhinhos redondos. Mas eu sabia que ele continuava rindo... por dentro.

- Mamão é commodity? – perguntou-me ele.

- Não entendi. Que diabo é isso? Como assim? O que quer dizer?

- Ora, você está me chantageando com a falta de mamão. Eu perguntei se mamão é commodity, se está na bolsa de valores.

- Você está me gozando...

- Claro que estou! Não está todo o mundo histérico por causa da crise dos imóveis americanos? Então, se o mamão que você está querendo me negar também estiver como mercadoria da bolsa, é provável que não o veja por muito tempo...

- Ora, que história é essa de bolsa de valores? E por que você estava rindo tanto?

- Vou te dizer por quê: a história é bem simples. E muito divertida, também. Vocês, humanos, são muito burros, com esse seu sistema capitalista. Na mata, entre os bichos, também é assim: em cada época, há fartura de uma fruta e escassez de outra. Se todos resolverem só comer o que está em falta, isso vai provocar uma encrenca dos diabos. É a lei do mercado. Mas, lá na mata, essa lei é meio que um tanto, como direi, socializada: ninguém fica preocupado com a demanda, porque a natureza, se não houver nenhum desequilíbrio, provê a todos com seus ciclos.

- E se houver desequilíbrio?

- Muitos morrem. E volta o equilíbrio.

- Puxa! Que cruel! – não pude deixar de comentar.

- Lei é lei. Não dizem que o seu sistema capitalista é selvagem? É exatamente por isso: se há desequilíbrio, alguns morrem, para a preservação da espécie, já que os sobreviventes serão os mais aptos... Porém, não é o que está acontecendo, não é mesmo? Inventaram, vocês, os loucos, que as grandes, imensas, corporações são as que têm mais chance de sobreviver, não é? O mercado, as incertezas, o clima (você pode chamar do que quiser as más administrações, os contratos de risco, a ganância, o jogo com peças podres) constituem a grande natureza de seu sistema e essa natureza, às vezes prega peças. E desequilibra tudo. Na mata, não há socorro, não há banco central, não há governos bonzinhos... Entre vocês, no entanto, se uma grande corporação, daquelas que, se quebrar, leva um monte de outras, balançar e ameaçar estatelar-se, lá vem um Bush qualquer da vida a meter a mão no dinheirinho dos contribuintes para salvar a dita cuja. E em nome de quê? Do equilíbrio do mercado! Não é engraçado isso? Por isso, morria de rir: um sistema capitalista que se agarra a leis do... socialismo! Embora um socialismo às avessas, claro: salva os ricos, com o dinheiro de todos, inclusive e acho que, principalmente, dos pobres. Não é engraçado?

E o Mike voltou a dar risadas, muitas risadas. Deixei o mamão e as demais frutas ali, e fui embora. Não achava a menor graça. Embora, fosse, sim, muito engraçado.

Fui ver na internet se havia cotação do preço do mamão...

Nenhum comentário:

Postar um comentário